top of page

ORIENTAÇÕES AO
         USUÁRIO

A resiliência no ambiente construído é entendida como a capacidade do ambiente de adaptar-se a diferentes impactos ao longo do tempo, sendo um aspecto fundamental para elevar a qualidade da habitação social, uma vez que está diretamente ligada aos conceitos de sustentabilidade, vulnerabilidade e capacidade adaptativa. No contexto das moradias do Brasil, de padronização tipológica e baixa qualidade arquitetônica, a resiliência emerge como uma qualidade crucial para lidar com as adversidades socieconômicas, ambientais e físicas ao longo do tempo. A ausência de assistência técnica adequada e a falta de acesso às informações técnicas de qualidade para realizar intervenções nas moradias, têm ampliado sua vulnerabilidade, notadamente em habitações sociais horizontais unifamiliares (casas térreas).

Nesse sentido, essa pesquisa da continuidade ao projeto “[BER_HOME] Resiliência no ambiente construído em habitação social: métodos de avaliação tecnologicamente avançados” e objetiva identificar e disponibilizar estratégias projetuais para reformas e intervenções em unidades de habitação social horizontal unifamiliar, visando a promoção da sua resiliência.

Inpactos da (6).png
Resistência.png
Conforto Ambiental_edited.png
Flexibilidade.png
Acessibilidade.png
Inpactos da (12)_edited.png
Inpactos da (13)_edited.png
Atributo

ATRIBUTO
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A eficiência energética pode ser entendida como um atributo da edificação que representa o conforto térmico, visual e acústico com baixo consumo de energia. Por isso toda arquitetura que possui as mesmas caracteristicas ambientais que as outras, mas com menor consumo de energia, é eficiente. Moradias mais eficientes energeticamente possuem contas de energia mais baixas, ar mais limpo em espaços internos e externos, além de impactar positivamente no setor energético, incentivando a economia pública devido a redução de subsídios à energia.

Resistência.png

INDICADORES
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Inpactos da (16).png

Envoltória Eficiente

A Etiqueta Nacional de Consumo de Energia (ENCE) para habitações , é obtido a partir da avaliação de dois sistemas – envoltória e aquecimento de água - que resultam em uma classificação que varia de A (mais eficiente) a E (menos eficiente). Para a etiqueta geral, também são consideradas as bonificações que incluem: estratégias de ventilação e iluminação natural, uso racional da água, iluminação artificial de LED, uso de ventiladores de teto e refrigeradores eficientes.

Inpactos da (19).png

Iluminação Eficiente

O projeto luminotécnico deve ser considerado e projetado de forma a aproveitar a luz natural. Quando isso ocorre, a edificação pode economizar energia elétrica de forma significativa, se a luz artificial permanecer desligada. Já a iluminação artificial deve ser avaliada, considerando o conforto visual do usuário e a potência das luminárias para a economia de energia. 

Inpactos da (20).png

Aquecimento de água

Cada Zona Bioclimática possui características que devem ser consideradas para a definição do sistema de aquecimento de água mais eficiente.

Inpactos da (21).png

Equipamentos elétricos eficientes

O consumo de energia por equipamentos elétricos dentro de uma residência é marcado pelo período de utilização. Quanto maior o consumo e mais alta a tarifa, maior o valor do custo no final do mês. Para consumidores enquadrados na Subclasse Residencial Baixa Renda, seguindo os pré-requisistos, há a Tarifa Social de Energia Elétrica, um desconto aplicado de acordo com o consumo.

Inpactos da (22).png

Comportamento consciente

O papel dos moradores é de extrema importância no contexto da eficiência energética. O comportamento marca a relação entre o uso e ocupação do edifício e a economia de energia. Dessa forma, a maneira como os ocupantes controlam os sistemas de aquecimento e ventilação é um fator importante para que a edificação seja eficiente energeticamente.

Inpactos da (23).png

Áreas Verdes Integradas

A ausência de espécimes vegetativas causam maior incidência da radiação direta, o aumento da emissão da radiação da onda longa e a alteração dos ciclos de precipitação. Essas alterações causam desconforto térmico e como resultado a população urbana tende a aumentar os gastos com climatizadores artificiais. A relação entre edifício e vegetação é de extrema importância como atenuadora do microclima, a presença de áreas verdes modifica a umidade, temperatura do ar, filtra a luz do sol, absorve barulho e poluição do ar

Indicadores
Recomendações

RECOMENDAÇÕES
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
image.png
bottom of page