RESULTADOS PRINCIPAIS

A pesquisa ofereceu 6 contribuições importantes podem ser sintetizadas abaixo:

1. MÁ QUALIDADE DE CONSTRUÇÃO E AMPLIAÇÕES SEM SUPORTE PROFISSIONAL

O estudo mostra que cerca de 90% das casas do bairro Shopping Park foram ampliadas ou reformadas desde sua inauguração em 2010. Esse processo representa um ciclo em que as expansões diminuem a área permeável ao mesmo tempo em que aumentam o impermeabilização do solo. Depois, as expansões geram toneladas de entulhos, que são caros para serem devidamente removidos, ficam em quintais ou ruas esperando que outra pessoa (prefeitura) os remova. A maioria dos residentes não tem dinheiro suficiente para completar a expansão de uma vez, então eles tentaram primeiro coletar o material, armazenando-o no quintal. Pode levar vários anos até que sejam usados. Este cenário é o lugar perfeito para criadouros - muitos materiais prontos para deixar a água presa. As políticas públicas devem abordar essas questões com urgência.

2. A SOLUÇÃO É COLETIVA

Conforme visto em outros estudos (ZARA, et. Al., 2016), o mosquito Aedes Aegypiti poderia percorrer até 500 metros em busca de alimento (sangue humano). Isso significa que apenas um bom terreno fértil pode afetar áreas maiores da comunidade. A eliminação dos mosquitos deve ser uma ação coletiva. A metodologia desenvolvida mostra ser capaz de entregar forte empoderamento e senso de comunidade. O projeto precisa ser continuado para atingir todo o bairro.

3. A METODOLOGIA É EFICAZ

O projeto construiu uma metodologia sólida capaz de ajudar a comunidade a evitar a disseminação de arbovírus. No entanto, usando apenas 10 amostras de casas, os resultados indicam que os participantes mudaram suas práticas evitando a proliferação de mosquitos. Além disso, os resultados, vistos 5 meses após o término das oficinas, mostram que eles efetivamente mudaram suas práticas. Apesar de realizar as atividades diretamente com apenas 10 famílias, centenas de pessoas da comunidade tiveram a oportunidade de conhecer os métodos que são: 325 alunos da Escola Secundária do Shopping Park, 168 famílias da ONG Estação Vida e 23 vizinhos das 10 famílias amostradas.

4. AUMENTAR A ESCALA DO PROJETO É A CHAVE PARA RESULTADOS MAIS AMPLOS

Dada a natureza coletiva do enfrentamento de epidemias de arbovírus, o projeto deve ser ampliado em ações futuras. Nesse estudo piloto, importantes parceiros levantados como a escola de ensino médio Shopping Park, onde foram realizadas duas oficinas com alunos, a ONG Estacao Vida, uma instituição vibrante que atende a comunidade, e o Centro de Controle de Zoonoses de Uberlândia que demonstra o desejo de colaborar em projetos futuros.

5. MÉTODOS DIGITAIS PARA PROJETOS À PROVA DE COVID

A metodologia desenvolvida provou ser bastante resiliente para ser à prova de COVID-19. Devido às contingências da pandemia, a equipe transforma os métodos em digitais, desenvolvendo ferramentas que serão um legado para projetos futuros. Além disso, uma aplicação web flexível foi desenvolvida para ser usada em diferentes estudos. O ganho com o desenvolvimento de métodos digitais ajudará o estudo a ir para contextos mais amplos, outros países e diferentes zonas climáticas.

6. TREINAMENTO DE ALUNOS/PESQUISADORES INOVADORES

O projeto proporcionou intenso treinamento para alunos de diversos níveis: da graduação ao doutorado, todos os 11 alunos puderam participar e contribuir ativamente com seus estudos. Esta metodologia é posta em prática no Grupo Mora e é um exemplo de integração vertical entre diferentes níveis de competências. (Consulte em https://morahabitacao.com/).

PRODUTOS DESENVOLVIDOS

A partir dos resultados da execução dos métodos, bem como das percepções dos pesquisadores sobre as sessões dos workshops (presencial e online), dois produtos principais foram desenhados com o objetivo de divulgar as descobertas e as soluções do Toolkit de Retrofit desenvolvidas:

RELATÓRIO FINAL

Para maiores informações sobre os métodos, processos e resultados, acesse o relatório completo da pesquisa realizada: