ORIENTAÇÕES AO
         USUÁRIO

Através da pesquisa "BER_HOME" (Built Environment Resilience in Social Housing", ou "Resiliência no Ambiente Construído em Habitação Social"), é realizado o estudo da resiliência do ambiente construído em habitações sociais, que frequentemente têm que superar dificuldades socioeconômicas, ambientais e físicas impostas ao longo do tempo. São ameaças potenciais que aparecem tanto como interrupções (em horizontes de tempo curtos) quanto como ameaças difusas e lentas (por períodos mais longos). Essas crises afetam a capacidade de resiliência do ambiente construído porque estão ligadas à vida cotidiana, que é a escala de foco para qualquer projetista.

 

O objetivo principal é avaliar os fatores que constituem a resiliência no ambiente construído em habitação social com foco na unidade habitacional, identificando os principais atributos projetuais que lhe conferem resiliência.

Matriz PNG.png
Adequação_Ambiental.png
Conforto Ambiental.png
Resistência.png
Flexibilidade.png
Bem estar.png
Engajamento.png
Acessibilidade.png

ATRIBUTO

CONFORTO AMBIENTAL

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry's standard dummy text ever since the 1500s, when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book. It has survived not only five centuries, but also the leap into electronic typesetting, remaining essentially unchanged. It was popularised in the 1960s with the release of Letraset sheets containing Lorem Ipsum passages, and more recently with desktop publishing software like Aldus PageMaker including versions of Lorem Ipsum.

RESULTADOS
FICHA TÉCNICA
Conforto Ambiental.png

INDICADORES

  • Desempenho térmico

  • Ventilação, iluminação e umidade

  • Estanqueidade de vedos  esquadrias

  • Estanqueidade acústica

 
Adequação_Ambiental.png
Conforto Ambiental.png
Resistência.png
Flexibilidade.png

INDICADORES

CONFORTO AMBIENTAL

DESEMPENHO

TÉRMICO
 

O bom desempenho térmico de uma residência depende da escolha de materiais e tecnologias construtivas coerentes às características do clima local, condicionando o conforto e produtividade humana, a economia de energia e condições de resistência do ambiente construído às inconstâncias climáticas.

Ventilação.png

VENTILAÇÃO, ILUMINAÇÃO E UMIDADE

O adequado projeto, posicionamento e dimensionamento de aberturas para iluminação e ventilação confere salubridade aos ambientes internos, renovando e purificando o ar e otimizando o consumo energético quando considerada a geometria solar do sitio e promovida a adaptabilidade das esquadrias à variação diária e anual de elementos do clima.

Bem estar.png
Engajamento.png
Acessibilidade.png
Estanqueidade.png

ESTANQUEIDADE DE VEDOS E ESQUADRIAS

A durabilidade e resistência das construções, de maneira geral, está associada à estanqueidade e resistência de suas fachadas, coberturas, pisos, aberturas e infraestruturas à água, poeiras e animais indesejados, oferecendo condições de higiene e segurança a seus moradores no longo prazo.

Acústica.png

ESTANQUEIDADE ACÚSTICA

 

A especificação de materiais de vedação resistentes às pressões sonoras incidentes sobre o interior de uma residência e/ou conjunto de residências resguarda a privacidade e conforto auditivo de seus moradores, preservado a saúde dos habitantes e harmonia de suas relações ao longo do tempo.

 
Adequação_Ambiental.png
Conforto Ambiental.png
Resistência.png
Flexibilidade.png
Bem estar.png
Engajamento.png
Acessibilidade.png

RECOMENDAÇÕES

CONFORTO AMBIENTAL

Imagem 1.jpg
  • Implantação de edifícios e setorização de usos considerando ventos predominantes, geometria solar e períodos de insolação nas fachadas dos terrenos;
     

  • Especificação de elementos de sombreamento e proteção solar quando a orientação de determinada(s) fachada(s) mostrar-se desfavorável (brises horizontais e verticais, beirais, auto-sombreamento da edificação, proteção de coberturas, etc);

INDICADORES CONTEMPLADOS:
Temperatura_b.png
Imagem 2.png
  • Atendimento às recomendações do RTQ-R (PROCEL, 2012) quanto às propriedades de transmitância térmica, absortância térmica e capacidade térmica recomendadas às faces da envoltória (paredes, janelas e cobertura), específicas para cada uma das 8 zonas bioclimáticas brasileiras (atentar para atualização de valores e parâmetros a que as normas estão naturalmente sujeitas);

INDICADORES CONTEMPLADOS:
Temperatura_b.png
Imagem 3.jpg
  • Utilização de materiais permeáveis de pavimentação, como blocos intertravados, concreto permeável, concregrama, seixo rolado, sendo todos tão claros quanto possível e, portanto, capazes de conter a terra do sítio sem implicar em altas taxas de absorção solar (que ocorre em função da coloração escura);

INDICADORES CONTEMPLADOS:
Temperatura_b.png
Imagem 4.jpg
INDICADORES CONTEMPLADOS:
Temperatura_b.png
  • Especificação de alturas de pé-direito maiores, permitindo maior flexibilidade e conforto térmico e respiratório quando da combinação de ampliações à casa-embrião.

Imagem 5.jpg
  • Inclusão de vegetação em projeto mediante criação de hortas e jardins verticais, terraços verdes, pátios internos, entre outras possibilidades, beneficiando a casa dos efeitos do resfriamento evaporativo e sombreamento proporcionados pela vegetação.

INDICADORES CONTEMPLADOS:
  • Adoção de estratégias bioclimáticas passivas para condicionamento do clima interno, como coberturas ventiladas; cobogós e muxarabis; prateleiras de luz, claraboias, sheds, lanternins, e outras estratégias passivas capazes de maximizar a captação e distribuição de luz e barramento de calor; peitoris ventilados; torres de vento e outros mecanismos para exaustão passivos;

Imagem 7.jpg
INDICADORES CONTEMPLADOS:
Imagem 8.png
  • Desenvolvimento de projetos complementares de drenagem pluvial, contemplando detalhamento de peças para condução e eventual reservação da água de chuva;
     

  • Especificação de materiais construtivos resistentes, duráveis e estanques;
     

  • Adequada vedação de frestas de esquadrias e outros componentes construtivos mediante utilização de material capaz de absorver ruído (maleável) e impossibilitar penetração de vento, poeira, e animais indesejáveis;

INDICADORES CONTEMPLADOS:
Estanqueidade_b.png
Imagem 9.jpg
  • Utilização e especificação de componentes construtivos para paredes capazes de barrar, pelo menos, as principais frequências que compõem a voz humana;
     

  • Utilização de lajes leves, acústicas e termicamente isolantes.

INDICADORES CONTEMPLADOS:
Acústica_b.png